Advocacia Trabalhista Borges

Quantos dias a empresa tem para me pagar após a demissão?

Quando acontece o encerramento do contrato de trabalho, o empregado tem direito ao recebimento de suas verbas trabalhistas.

No artigo de hoje, vamos esclarecer quantos dias a empresa que você vai sair tem para te pagar e o que acontece se seu empregador não cumprir a lei.

Rescisão do contrato de trabalho.

A lei estipula prazos para recebimento das verbas rescisórias, ou seja, o empregador tem um prazo para realizar o pagamento do salário final do colaborador.

Conforme a Lei Federal o empregador é obrigado a emitir o pagamento regular do último período de pagamento, confira o que diz o  art. 477 § 6 da CLT:

Art. 477 § 6 da CLT, o prazo para cumprir com o pagamento das verbas rescisórias do empregado tem que ser o primeiro dia útil após o final do aviso prévio trabalhado e até 10 dias corridos, se for o caso de aviso prévio indenizado.

Entretanto existe uma redação da lei, onde é estipulado o prazo de 10 dias corridos do último dia trabalhado pelo empregado para o pagamento da rescisão feita pelo empregador.

Quantos dias a empresa tem para me pagar? 

Conforme mencionado, a empresa tem 10 dias para pagar as despesas rescisórias do ex-funcionário. Caso esse prazo não seja realizado, o empregado pode entrar em contato com o seu sindicato ou com o Ministério Público para saber quais medidas devem ser tomadas.

Quais são as verbas rescisórias?

Existem atualmente 5 tipos de rescisão de contrato, falarei sobre cada tipo de dispensa e como funciona o cálculo, pois existem algumas regras específicas e direitos dos empregados relacionados aos cálculos que são corretos.

Demissão com justa causa

Geralmente, esse tipo de desligamento ocorre devido a graves faltas cometidas pelo funcionário no trabalho que podem acarretar seu desligamento da empresa.

Nesse caso, o funcionário perde muitos direitos, então, nesta situação, ele obtém:

  • saldo de salário dos dias trabalhados naquele mês;
  • eventuais férias vencidas, acrescidas de 1/3 referente a abono constitucional.

Demissão sem Justa Causa

Essa modalidade de demissão ocorre quando o empregador não quer mais a prestação do serviço que era realizado pelo empregado e por isso o trabalhador é desligado da empresa.

Nesse caso, a empresa não precisa determinar o motivo da decisão, mas é necessário avisar os funcionários com 30 dias de antecedência, caso contrário, deve realizar o pagamento do aviso prévio.

Neste caso terá direito de receber:

  • Aviso prévio proporcional, trabalhado ou indenizado;
  • Saldo de salário;
  • Férias vencidas e proporcionais, com adicional de ⅓;
  • 13.º salário proporcional;
  • Multa de 40% do FGTS.

Os empregados também podem sacar o valor do fundo de garantia e se inscrever no seguro-desemprego, mas devem atender aos requisitos para obter o seguro.

Demissão consensual

Um acordo comum é quando o empregado e o empregador estão discutindo e chegando a um acordo sobre a rescisão do contrato de trabalho.

Esta nova opção é veio com a Reforma Trabalhista de 2017 e funciona da seguinte forma:

  • As partes precisam fazer o acordo por escrito;
  • O trabalhador terá direito a praticamente as mesmas verbas da demissão sem justa causa.

No entanto, existem apenas 4 diferenças, então o trabalhador terá direito a:

  • o aviso prévio será devido pela metade, caso ele seja indenizado;
  • a multa do FGTS será de 20%, ou seja, metade do valor original;
  • é possível movimentar apenas 80% do fundo de garantia;
  • não há direito ao seguro-desemprego.

Pedido de demissão pelo funcionário.

Nesse caso, o empregado que iniciou o direito de rescindir o contrato de trabalho deve garantir que o empregador será avisado com 30 dias de antecedência quando optar por essa opção.

Após fazer esse pedido, o funcionário receberá os seguintes direitos:

  • Saldo de salário;
  • férias vencidas e proporcionais, com adicional de ⅓;
  • 13.º salário proporcional

Acordo entre as partes

Embora essa prática não esteja prevista na CLT, é muito popular e ocorre quando um funcionário deseja ser demitido, por exemplo, para assumir um novo emprego, mas a empresa não tem interesse em demiti-lo.

Devido à boa convivência e relacionamento, tanto o empregado quanto o empregador resolveram acordar e concordar com a demissão sem justa-causa, mas existem algumas condições diferentes, tais como:

  • O trabalhador tem direito a sacar seu FGTS
  • O trabalhador devolve os 40% de multa à empresa, para que ela não fique no prejuízo.

O que acontece se a empresa atrasar o pagamento da rescisão?

Se ocorrer o atraso do pagamento que deve ser feito pelo empregador, a empresa deverá pagar multa que está estabelecido pelo artigo 477, parágrafo 8º da CLT, que prevê o pagamento de um salário mensal do trabalhador, além dos valores totais da rescisão.

Dica Extra do Jornal ContábilVocê gostaria de trabalhar com Departamento Pessoal?

Já percebeu as oportunidades que essa área proporciona?

Conheça o programa completo que ensina todas as etapas do DP, desde entender os Conceitos, Regras, Normas e Leis que regem a área, até as rotinas e procedimentos como Admissão, Demissão, eSocial, FGTS, Férias, 13o Salário e tudo mais que você precisa dominar para atuar na área.

Se você pretende trabalhar com Departamento Pessoal, clique aqui e entenda como aprender tudo isso e se tornar um profissional qualificado.

Fonte: CONJUR

As notícias publicadas e reproduzidas nessa plataforma são de inteira responsabilidade de seus atores (citados na fonte). Dessa forma, os mesmos não traduzem necessariamente a opinião da Advocacia Trabalhista Borges.

Quer saber mais sobre direito trabalhista? Fale com nossa equipe, agora!  

Se você precisa de uma assessoria de direito trabalhista, fale com a gente:

Caso queira enviar seu currículo para trabalhar com a Advocacia Borges